Dívida e Calote:

Quem vende tem direito de receber pelo produto ou serviço oferecido. Esta é uma máxima incontestável. Além disso, todo o planejamento de uma empresa é baseado no seu ritmo de produção, suas metas e vendas. Quando algum cliente não paga pelo que comprou, esse ciclo fica comprometido. Ainda que haja um espaço de segurança, melhor seria que não fosse necessário contar com esse recurso emergencial, não é verdade? Mas outra situação precisa ser considerada com muita seriedade: em muitos casos, dívida e calote não são sinônimos. E a gente vai explicar por quê.

Obviamente que a má-fé existe. Não sejamos ingênuos em acreditar que não ocorre tal situação. No entanto, para grande parte das pessoas e empresas, estar endividado não é motivo de tranquilidade. Raras são as que se orgulham de ter conseguido passar a perna em algum fornecedor. Geralmente a inadimplência é consequência de uma situação difícil. Gestores competentes, diante de uma ocorrência como essa, fazem o possível para equilibrar as contas e honrar com seus compromissos.

Não à toa existem várias soluções no mercado que buscam ajudar empresas em dificuldades. Investimentos, empréstimos ou receber suas dividas mesmo antigas são alguns recursos utilizados por administradores para fugir de momentos complicados, não se indispor com fornecedores e evitar uma má avaliação perante os clientes e os próprios funcionários.

 

Se saber como pagar o 13º salário e as férias coletivas deixou de ser uma grande preocupação para sua empresa, o oferecimento de brindes e outros benefícios para os funcionários no fim de ano passa a ser uma possibilidade. Com a antecipação de recebíveis você pode proporcionar este agrado aos seus colaboradores sem causar danos às suas finanças, já que a empresa estará utilizando um dinheiro que já era seu e que foi apenas antecipado.